Preconceito! Tia e sobrinho sofrem racismo por cliente em shopping na Zona Oeste do Rio

Preconceito racial no Brasil

O mês de novembro é alusivo à consciência negra, e mesmo com todas as campanhas anti racismo nesse ano, ainda permeado pela pandemia provocado pela COVID-19, ainda assim, proliferam casos carregados com conotações, e até explícitos de discriminação racial.

Unidos de Manguinhos realiza feijoada com presença de Maria Helena, enredo da escola

O último, envolve Mônica Rosa, de 50 anos e o sobrinho Felipe Rosa, com 22 anos, na domingo (25 de outubro), por volta da 17h50. Mônica, que é integrante do MNE RJ- Movimento Negro Evangélico, estava com seu sobrinho na loja da Starbucks do Barra Shopping, quando foram surpreendidos por um cliente da loja que, alegando que Felipe havia rido dele, passou a ameaçá-los e proferir insultos racistas. O homem dizia que iria matar Felipe e xingava constantemente Mônica, com frases ofensivas do tipo: “preta suja”, “p**”, “você cala a sua boca se não eu vou quebrar você também”, entre outros.

E não foi só isso, foi dito ainda: “Que ali não era o lugar deles e que deviam voltar para o subúrbio”, em suposição que eles eram suburbanos. “Não aguento mais essas pessoas da periferia aqui, eu moro em  um condomínio de luxo aqui na Barra, vocês estão pensando o quê? Que sou a Giovanna Ewbank?” – em uma clara comparação ao fato da atriz ter adotado crianças negras. O facínora era branco, alto (com entorno de 1,90) e forte, veio em direção do Felipe aos gritos, fazendo várias ameaças e dizendo que “iria partir a cara dele com socos”.

Circuito Cultural da Cidadania disponibiliza espetáculo infantojuvenil “ConsCiência na Cozinha” – de 09/11/20 a 13/11/20

Felipe, faz pré vestibular para o curso de medicina e Mônica, professora – Bacharel em História e Pós-graduação em História do Brasil (UFF), dá aula para ensino fundamental e ensino médio. Moram em Duque de Caxias e não vêem problema algum em serem da Baixada Fluminense. E um outro dado que faz muita diferença: eles têm orgulho da sua negritude e identificaram na hora o racismo que estavam sofrendo não apenas por parte do agressor mas pelos outros clientes do shopping, mesmo com todos os gritos de socorro da tia, tentando salvar o sobrinho do ataque. Ou seja, independente da cor ou origem de morada, há alguma justificativa para uma situação dessa? Uma pessoa age com uma atitude segregacionista e ninguém questiona! Virou normal?

Atitudes como essas, proferidas por um racista e preconceituoso não pode ser corroborada por outros. Os funcionários da loja, aturdidos ou não, nada fizeram para ajudar e nem os seguranças do shopping, mesmo com o “surto” do agressor, as outras pessoas em volta ficaram apenas assistindo. Só depois de um tempo uma pessoa os ajudou a sair da loja, já que estavam no interior e ficaram encurralados. Tão quanto o verbalizado por esse agressor, a falta de um posicionamento é grave também.

#Incentivaracultura, Secretaria de Estado de Cultura do Rio chega a 50 projetos em 2020

Por fim, o dito o “cidadão do bem” pronunciou que era da academia Grace Barra, militar e saiu tranquilamente sem ser importunado.

“Ele externalizou todo preconceito dele. E o que mais me deixa chocada foi que os seguranças do Barra Shopping olhavam pra aquilo tudo e não fizeram nada. Eu gritava igual uma louca, desesperada porque ele queria matar o meu sobrinho. Foi aglomerando tanta gente, todo mundo olhando e as pessoas não faziam nada, muitas ficaram com medo, porque o cara era muito forte, ele era grande”, alega Mônica.

Outro momento de grande estarrecimento pontuado por Mônica, foi a forma que foram retirados da loja, saíram escoltados por outras pessoas, mas mesmo assim se sentiram mal, como se eles estivessem feito algo errado.

Tia e sobrinho fizeram B.O. na 16 DP (Barra da Tijuca), no mesmo dia e o inquérito está em andamento. Acionaram a Advogada Cirleide Bonfim, que entrará com processo de Injúria Racial, no Fórum da Barra da Tijuca, ainda essa semana. A advogada irá requerer em caráter liminar o acesso às imagens do agressor.

Imperianos, presente! Império Serrano realiza 2a eliminatória do Concurso de samba-enredo

“É inadmissível esse tipo de comportamento, provoca danos irreversíveis, é preciso agir com rigor e combater. Não é de hoje que sofremos ataques deliberados de racista, com provocações e atos insanos. Que as autoridades tomem providências o quanto antes”, atesta o Prof. Babalawô Ivanir dos Santos – Pós- doutorando em História Comparada pela UFRJ (PPGHC/UFRJ).

 

 

 

 

TAGS: Programação Quiosque Drink Café  A velha política  Moda: Blusa Transparente Preta Mundo LGBTQ+ se despede de Jane Di Castro Horóscopo de 02/11 a 08/11 Quiosque Drink Café Morre Jane Di Castro Programação Bar do Zeca Pagodinho Marilyn Monroe – Estação Net Botafogo Snacks saudáveis Eduardo Paes em Madureira União do Vilar Carioca se filia a Liga LIVRES Dignidade humana Novembro Laranja Racismo estrutural na peça ‘Anjo Negro’ Em Cima da Hora reabre em novembro Concurso Rainha Revista Feras 2021 Imperatriz Leopoldinense homenageará Arlindo Rodrigues Cinema Negro Zózimo Bulbul Cinco anos da revista Diamond Brazil

 

-Rozangela Silva-

Assessoria de Imprensa

 

 

 

 

Comentários estão fechados.