Sociologia e direito! UFF recebeu ‘Colóquio Direto’ – Legislação anti-racista, ensino, pesquisa e inovações

Pesquisas multidisciplinares atuais

AAtravés do Grupo de Pesquisa Direito, Justiça e Pluralismo Étnico-Racial e Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito (PPGSD – da UFF), reuniu um seleto grupo na faculdade. Com presença de Renato Noguera, Carlos Alberto Medeiros, Wilson Madeira, Napoleão Miranda, Renato Ferreira, Ivanir dos Santos, Thula Pires, entre outros. Para o Colóquio de Direito, “Legislação Anti-Racista: Ensino e Pesquisa”, com a intenção de destacar as pesquisas multidisciplinares atuais em sociologia e direito.

Tá tirando onda, André Marinho prepara novo trabalho

 

 

“Reunimos um grupo acadêmico de renome nacional e suas respectivas áreas de pesquisa, bem como alunos de mestrado e doutorado, com temáticas inovadores no contexto do mundo universitário brasileiro tais como legislação antirracista, interseccionalidade e diversidade”, atestou Jacques d’Adesky, interlocutor do colóquio. A abertura na segunda a noite, contou com a ilustre presença de Patricia Sellers – Advogada criminal internacional e Assessora Especial para Gênero do Gabinete do Procurador do Tribunal Penal Internacional.

“Pela sua vasta experiência profissional internacional, a conferencista Sellers tem se debruçado nas últimas décadas em pesquisa sobre a conceituação de genocídio e crime contra a humanidade mediante a análise das práticas recorrentes do estupro em grande escala atingindo mulheres jovens como adultas no decorrer de conflitos armados ou guerras civis. Assim, tem mostrado a forte vulnerabilidade da mulher com base nos dados e numerosos documentos das guerras do século XX, assim como em testemunhas de recentes conflitos. Tais práticas resultarem, segundo ela, numa desumanização e subjugação das mulheres que acabarem as confinando ao status de escravas sexuais ou a mão de obra servil”, alegou Jacques.

Assédio moral é crime! Influencer Deborah Albuquerque detona na web

 

 

O grupo Camerata Vila – Ação Social pela Música no Brasil, composta por músicos moradores do Morro dos Macacos e adjacências, fizeram um apresentação magistral. E 13 jovens, encantaram o público atacando: “Aquarela do Brasil”, de Ary Barroso, “Feira de Mangaio”, de Clara Nunes e Vivaldi. ao som de baixo acústico e com direito à duelo de violinos, e até solo de pandeiro.

Saindo do instrumental, a noite ganhou ainda participação de Zezé Motta, que cantou à capela “Senhora Liberdade” (Nei Lopes)  e “Minha Missão” (João Nogueira). Claro, que ela arrasou, e foi aplaudida e muito tietada para fotos e selfs e ainda mandou a fala: “As pessoas ficam me agradecendo, mas é meu dever está aqui”.

Poderosa e sexy, Denise Dias posa de lingerie “bodystockings”

 

 

Já na terça, uma série de debates, com pautas como: “Teoria Crítica Racial e Interseccionalidade”. Coordenadora: Profº. Dr. Ísis Conceição, UNILAB, BA. Participantes: Juliana Maia — “Ancestralidade, Religiosidade e Pertencimento: a mulher negra evangélica”; Ana Míria — “Direitos humanos e criminalização da violência de gênero: um olhar interseccional sobre o controle social via direito penal”; Carolina Pires – “O Horto Fica: a luta ancestral das mulheres negras pelo direito à moradia”; Adriana de Morais — “Invisibilidade das Mulheres Negras no Judiciário”; Luciano França de Azevedo – “Direito e Violência — Interseccionalidades de Raça e Gênero no Brasil”, e isso, só para citar alguns temas. O objetivo da conferência foi incentivar e dar maior visibilidade e promover mais ensino e pesquisa nessa área. Onde em torno de 40 convidados participaram com falas.

“Grita-se pelo silêncio”; “A prisão funciona como uma depósito do excesso populacional, um depósito de gente considerada supérflua”; A consolidação das políticas afirmativas se deu pela força e protagonismo dos próprios negros”; “É necessário romper o silêncio e o silenciamento”; “Questões de identidade não devem se tratadas como pautas de costumes”, essas foram algumas das muitas frases que me impactaram faladas por expositores brilhantes, a saber, Clarissa Felix, Erli Sá dos Santos e Wania S’antana. Fui lá para falar mas mais do que tudo escutei. Voltei para o escritório entendendo ainda mais a responsabilidade de fortalecer nosso programa de diversidade. Vi naquele fórum profissionais do direitos extremamente qualificados que ainda ficam à margem do mercado de trabalho privado e, enxergando aquela qualificação absolutamente diferenciada, fiquei ainda mais impressionada que a inclusão desses profissionais como impulsionadores  de inovação ainda não seja uma pauta prioritária para os escritórios de advocacia. Entendi mais uma vez que a diversidade é um processo e um aprendizado colaborativo e que cada escritório ou cada indivíduo pode se transformar em um “agente” de inclusão. Saio do Colóquio transformada como indivíduo e com o desejo de que venham mais fóruns como esse e que mais escritórios se disponham a participar dessa conversa”, atestou Isabella Cardozo, sócia da Daniel Advogados, que esteve com um grupo da empresa, como ouvinte e participando nas mesas de debates.

 

 

 

TAGS: “Vozes do Samba” Feijoada do Leão Gil Jung fala sobre Coach Vera Lucia Corrêa não renunciou ao cargo de Presidente do Império Serrano Lierj firma parceria que oferecerá academia grátis para casais de MT e PB Primavera-verão 2019 /2020 Denise Dias exibe sua marquinha  Marcelo Crivella triplica verba da Intendente  Horóscopo Alto Astral de 2/9 a 8/9 1º festival de morango e chocolate Riotur recebe diretoria da Liesb “Marlene Dietrich ‐ as pernas do século” André Marinho retoma treino Império da Tijuca terá musa colombiana CaRIOca ProgFestival  “Os 3 venenos de Shaolin” Trupe Max estreia em sessão de cinema Conectados e conscientes! Superdigital lança blog 100 anos do Iate Clube

 

-Rozangela Silva-

Assessoria de Imprensa

1 comentário
  1. […] Sociologia e direito! UFF recebeu ‘Colóquio Direto’ – Legislação anti-racista, ensino, pesq… – Blog do Anderson Lopes Reunimos um grupo acadêmico de renome nacional e suas respectivas áreas de pesquisa, bem como alunos de mestrado e doutorado, com temáticas inovadores no contexto do mundo universitário brasileiro tais como legislação antirracista, interseccionalidade e diversidade”, atestou Jacques d’Adesky, interlocutor do colóquio. […]

Comentários estão fechados.