‘Oboró – Masculinidades Negras’ estreia em plataformas online, sempre as segundas – 19:30, de 09 a 30 de novembro

Versão reformulada

“Oboró – Masculinidades Negras” estreou em 2019 no Teatro Firjan SESI Centro e, posteriormente, seguiu temporada no Teatro João Caetano, ambos na cidade do Rio de Janeiro. Em sua trajetória, de pouco mais de um ano, a peça foi assistida por mais de 13 mil pessoas, recebeu o Prêmio Shell 2019 em Dramaturgia e Figurino, o Prêmio APTR 2019 em música e Direção de Movimento e diversas categorias no Prêmio Ubuntu. A partir do dia 09 de novembro, o público poderá conferir o espetáculo, em uma versão reformulada, através da plataforma Sympla, sempre às 19h30.

Dignidade humana: Teto Brasil promove 5a edição do ‘Cidade em Foco’

 

 

Oboró é um termo que, em Yorubá, é usado para designar orixás do sexo masculino e que, em cena, apresenta os conflitos de vida dos homens que eles interpretam. Cada personagem apresenta características de um, entre os orixás: Exu, Ogum, Oxóssi, Logun Edé, Ibeji, Osanyin, Omolu, Oxumaré, Iroko, Xangô e Oxalá. Entre os problemas apresentados, estão a hipersexualização do corpo negro, a busca pela perfeição em troca de um lugar ao sol e os riscos de habitar uma pele preta.

Obrigado Deus! Unidos de Manguinhos divulga logo do enredo em homenagem à Maria Helena

 

 

Para o mês da consciência negra, a cada semana, uma composição de diferentes histórias que traçam um paralelo entre a realidade desses homens e a sociedade, serão permeadas por música e dança nessa nova linguagem que une o audiovisual à magia do teatro. O novo formato mantém a essência das narrativas desses homens pretos apresentados, atende às novas configurações culturais impostas pelo novo coronavírus e busca levar a mensagem a todas as partes do país.

 

SINOPSE:

À margem de uma sociedade, em que está longe de ser prioridade, o homem negro busca ganhar sua vida na sombra cruel em que habita. O espetáculo “Oboró – Masculinidades Negras” retrata a realidade desse homem, com suas dificuldades, desafios, resiliência, alegrias e lutas, havendo o deslocamento da condição de objeto ou coisificação para a humanidade. Em oposição a uma sociedade com estrutura racista e maniqueísta, que o conceitua como um ser exclusivamente tóxico, “Oboró” expõe a subjetividade – virtudes, desejos, erros e acertos – desse homem. O texto é de Adalberto Neto e a direção, de Rodrigo França.

 

FICHA TÉCNICA

Elenco: Cridemar Aquino, César Lira, Danrley Ferreira, Gabriel Gama, João Mabial, Jonathan Fontella, Lucas Timbaleiro, Marcelo Dias, Milton Filho, Natanael Mariano, Orlando Caldeira, Paulo Guidelly, Reinaldo Júnior e Wanderley Gomes

 

Texto: Adalberto Neto

Direção: Rodrigo França

Direção de Movimento: Valéria Monã

Assistente de Direção: Kennedy Lima

Cenário e Figurino: Wanderley Gomes

Iluminação e Câmera: Pedro Carneiro

Trilha e Regência: Cesar LiRa

Músicos: Cesar LiRa, Lucas Timbaleiro e Natanael Mariano

Designer: João Eliel

Fotografia: Alexandre Maciel, Júlio Ricardo e Natália Anjos

Direção de Produção: Fábio França e Mery Delmond

Assessoria de Imprensa: Alessandra Costa

Realização: Diverso Cultura e Desenvolvimento

 

SERVIÇO:

Sempre as segundas

De 09 a 30 de novembro

Horário: 19:30

Duração 40 min

Vendas pelo Sympla

Exibição ao vivo e online pela plataforma Zoom no Sympla

Valores promocionais a partir de R$15,00.

Cenas novas e com alternância de elenco

 

 

 

 

TAGS: Novembro Laranja Racismo estrutural na peça ‘Anjo Negro’  Horóscopo Alto Astral de 26/10 a 01/11 Em Cima da Hora reabre em novembro Concurso Rainha Revista Feras 2021 Imperatriz Leopoldinense homenageará Arlindo Rodrigues Cinema Negro Zózimo Bulbul Cinco anos da revista Diamond Brazil 44º Mostra Internacional de Cinema de SP Prefeitura do Rj libera quadras de escolas de samba Dia Nacional da Consciência Negra Samba da Feira está de volta Programação Bar do Zeca Pagodinho Ronaldo Gomes grava música Prêmio Light nas Escolas Olha cobra! É verdade! Gyselle Soares vira bruxinha Moda: Calça Clochard jeans Saúde da Mulher YouTube: ‘Aqui Tem Fofoca’ Renovar é preciso!

 

-Duetto Comunicação-

 

 

 

 

Comentários estão fechados.