“Estado terminal”

Autor: Dylan Ricardo

Era uma vez um dedicado leitor que queria ser escritor, pois achava que tinha o que dizer, mas não só isso, ele precisava expor, era muito mais que apenas um exercício de arrogância inconsciente. Era vital.

O monstro que lhe habitava as entranhas estava a cada dia mais barulhento e preenchia cadernos com medos, desejos, lembranças e revoltas. Ele queria registrar tudo o que havia vivido, precisava deixar compiladas suas experiências, como uma marca do que passou durante a existência. Uma prova de que havia vivido.

Ele queria arrancar seus escritos das gavetas e atira-los ao mundo.  Queria tocar em sua obra publicada, pegar nas folhas, sentir o peso das frases, o cheiro do livro e o aguilhão de cada letra.

Não lhe bastava mais escrever para si, ele desejava mostrar a todos o que acontecia pelos fumegantes e devastados campos inóspitos do seu cérebro. Queria cuspir, vomitar, arremessar tudo o que lhe carcomia as vísceras.

E copulando com a dor, partejou poemas. Cem poemas que compõe essa pequena obra, fruto de noites em claro, de ácidas lágrimas vermelhas, de espelhos quebrados, paredes esmurradas pulmões nicotinados, garrafas esvaziadas e torturantes lembranças.

Caros leitores, bem vindos ao meu cérebro.

 

Site da Cultura em Letras Edições

 

 

Comentários estão fechados.