Homenagem – Salve Dona Yvone Lara

Morre no Rio, aos 97 anos, a rainha do samba

Nascida em 1921, numa época extremamente difícil para a afirmação feminina, principalmente para mulher negra, a carioca da gema, oriunda do bairro de Botafogo, a filha primogênita da costureira e cantora soprano dos “ranchos” e blocos carnavalescos Emerentina da Silva Bento, e do  violonista de sete cordas José da Silva Lara (membro do Bloco dos Africanos), logo na tenra idade Dona Yvone declarou seu amor ao Samba, despertando o seu dom como compositora. No entanto, para a sociedade da época, não era conveniente uma mulher na qualidade de “compositora”; por isso precisou  muito de seu primo inseparável, o saudoso “Mestre Fuleiro”, para que este assumisse suas autorias musicais. Perdera os pais logo cedo, formou – se em enfermagem com especialização em terapia ocupacional e foi assistente social. Mas foi no Samba que a jovem Yvone encontrou o seu espaço, aprendendo cavaquinho com seus tios tutores e posteriormente aulas de canto com Lucília Villa-Lobos, esposa do eterno maestro “Villa-Lobos”… Aos 25 anos, uniu – se no sagrado matrimônio a Alfredo Costa, presidente do GRES Prazer da Serrinha.

Veja também: Isso é ótimo! Abolição renova com diretor geral de harmonia Dalton Ferreira

 

 

Consagrou – se em muitas de suas composições como “Nasci para Sofrer”(1947), que se tornou um dos hinos da Império Serrano; mas foi em 1965 que seu reconhecimento pleno no Samba foi galgado, quando se tornou a primeira mulher a integrar na “Ala de Compositores” da escola, sobre a qual é madrinha até hoje:

“As Mulheres sempre defenderam o Samba. Infelizmente, algumas não tiveram as oportunidades que eu tive. Os homens são um pouco egoístas, acham que são os maiorais, não gostam de fazer parcerias. Na minha escola, acontecia o contrário. Os compositores faziam questão da minha participação”

declara Dona Yvone Lara.

Nossa Rainha fez mais de 100 composições e muitas parcerias, dona Yvone criou um leigado de ótimos sambistas e compositores. Mulher que consegui dar sentido e emoção ao LAILAIA que virou poesia nas canções dela e grandes sambistas. Dentre tantas musicas como Tie Tie, que escreveu ainda menina, sua primeira composição,quem nunca cantou; Sonho Meu,Alguém me avisou,Sorriso Negro,Juizo Final em particular tem uma que descreve esse amor pelo samba, “Nasci para sonhar e cantar”.

Dê uma olhadinha: Unidos do Viradouro apresenta seu mais no ‘reforço’, maestro Jorge Cardoso

Mais hoje(16) perdemos nossa rainha Dona Yvone Lara, o céu ira ter um anjo de um cantar sem igual, E nos, ganhamos resistência e elegância para cantar e um bom samba.

Salve nossa Rainha Dona Yvone Lara…

 

Por – Andrea Lacocca –

Jornalista

Comentários estão fechados.