“Fight the Power” do Public Enemy conquista seu lugar no “Grammy Hall of Fame”

Este prêmio é merecido

“Fight the Power”, um dos Hinos do HIP-HOP produzidos pelo grupo nova-iorquino “Public Enemy” no ano de 1989, acaba de galgar seu espaço no “Grammy Hall of Fame Award” [premiação especial produzida pelo “Grammy”, estabelecida em 1973 para honrar gravações que tenham pelo menos 25 anos de existência e que possuam “significância qualitativa ou histórica”. O prêmio honra gravações (singles e álbuns) de todos os gêneros, incluindo Clássico, Rock, Country, HIP-HOP, R&B, Ópera, Teatro e Filmes, desde a virada do século 20 até a data atual].

Além de Fight the Power, o álbum “Nevermind” que define o estilo grunge da banda “Nirvana” e o clássico de “Whitney Houston”, “I Will Always Love You”, estão entre os agraciados deste ano no Grammy Hall of Fame.

 

 

Fight the Power é considerada uma das músicas mais influentes da história do gênero HIP-HOP, devido à sua complexa estrutura musical, contendo em seu conteúdo letras revolucionárias de efetiva recepção global. A música serviu como um leitmotiv para o filme de Spike Lee “Do the Right Thing” [exibido no Brasil com o título “Faça a Coisa Certa”], também do ano de 1989; um filme centrado em torno da realidade da tensão racial no sub-bairro de Bed-Stuy, no Brooklyn, em Nova York.

Influenciado pela canção homônima “Fight the Power” da banda de Soul/ R&B “The Isley Brothers”, do ano de 1975, o vocalista principal do Public Enemy, “Chuck D”, procurou usar a mesma tese deste clássico para denunciar o abuso de poder atormentado pela presença da supremacia branca sobre negros na América.

A canção icônica foi lançada como single pela Motown Records, apresentando a complexidade de um HIP-HOP com seu sotaque estratégico para a conscientização da massa jovem da época. A canção é mesclada de samples e efeitos marcantes, como a abertura do ativista dos direitos civis “Thomas ‘TNT’ Todd” e a junção de mais de 10 clássicos do Soul dos anos 1970 que vão desde “James Brown” [“Say It Loud-I’m Black and I’m Proud”], passando por “Bobby Byrd” [“I Know You Got Soul”], e chegando até “AJ Scratch” do veterano rapper “Kurtis Blow” – o que garantiu sua indicação ao “Grammy” de 1990 na categoria de “Melhor Performance de Rap”.

 

 

Formado por “Chuck D”, “Flavor Flav”, “DJ Lord” [substituto do “DJ Terminator X”, em 1999], o grupo “S1W” [crew de “Step Dance”, cujos trajes e coreografia são inspirados em movimentos marciais], “Music Director Khari Wynn” e “Professor Griff” [que foi demitido do grupo por publicizar comentários “anti-semitas” em 1990, retornando ao grupo em 1998], o “Public Enemy” nasceu em Long Island, Nova York, em 1982, e se tornou famoso mundialmente por suas letras politicamente carregadas de críticas à mídia e ao sistema político norte-americano, com interesse ativo nas frustrações e preocupações da comunidade afro-americana. Seus quatro primeiros álbuns durante a década de 1980 e início de 1990 foram todos certificados com “ouro” ou “platina” e, de acordo com o crítico musical “Robert Hilburn”, foi “o grupo mais aclamado por seu ativismo enquanto rappers”. Em 2004, a revista “Rolling Stone” classificou o Public Enemy no 44º lugar na lista dos “100 Maiores Artistas de Todos os Tempos”. O grupo foi introduzido no “Long Island Music Hall of Fame” [Salão da fama cujo mérito é a entrega do “Prêmio Musical de Long Island” a artistas que ofereceram contribuições significativas à música de Long Island] em 2007. Em 11 de dezembro de 2012 foram anunciados como induzidos ao “Rock and Roll Hall of Fame” [Corredor da fama, estabelecido em 1986, localizado em Cleveland, Ohio, dedicado à registrar a história de alguns dos mais conhecidos e influentes músicos, assim como bandas, produtores e outros que possuem, de alguma forma, grande influência na indústria musical, em particular na área do “Rock and Roll”], tornando-se o quarto grupo de HIP-HOP a ser introduzido neste degrau depois de “Grandmaster Flash and the Furious Five”, “Run-DMC” e os “Beastie Boys”.

 

Confira: Snoop Dogg muda da Água para o Vinho em “Snoop Dogg: Bible of Love”

 

A Academia de Organização do Grammy Hall of Fame avaliou e escolheu um total de 25 obras para entrar no corredor deste ano, sob o critério de “obra qualitativa de significado histórico”. As obras devem ter pelo menos 25 anos para serem elegíveis e, uma vez induzidas, são exibidas no “Grammy Museum L. A. Live”.

Public Enemy Number 1!!

Paz e Respeito!!

 

 

Clica no play!

 

 

 

 

 

 

 

Por: DJ “Zulu” TR.

Fan Page: Acorda Hip Hop – Trilogia

 

 

Comentários estão fechados.