Encontro entre os Saberes Afro-brasileiros e Africanos – dias 25 e 26 de outubro na UFRJ / IFCS

Presença de diversos africanos

Como temas e subtemas do encontro inaugural, a conferência aborda o estudo das religiões oriundas da África com ênfase no foco regional e diaspórico.

Discutirá também os desafios específicos enfrentados por estudantes e acadêmicos no estudo de religiões africanas e afrodiaspóricas em todo o mundo.

Veja também: Anota aí na agenda! Ana Egito & Banda, no Sinuca de Bico, dia 26 de outubro

A conferência também busca encorajar pesquisas acadêmicas e explorar vias de documentação e preservação das religiões de origem africana.

O Brasil é a maior população negra (diáspora africana) no mundo, depois da Nigéria. Dados demográficos recentes do Brasil mostram os afro-brasileiros como maioria pela primeira vez, com os resultados do censo de 2010 revelando que mais de 50,7% da população agora se identificam como pretos ou pardos, em comparação com 47,7% que se definem como brancos (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE). Por fim, o Brasil é a terra do candomblé, uma das maiores religiões de origem africana do mundo.

Vem ver: Basta gostar de carnaval, União do Parque Curicica inicia oficina de percussão

Encontro entre os Saberes Afro-brasileiros e Africanos

25 e 26 de outubro na Universidade Federal do Rio de Janeiro

 

O Grupo Pan Africano de Pesquisa Estratégica e Política (PANAFSTRAG) em parceria com o Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP) – que a frente o Prof. Dr. Babalawô Ivanir dos Santos, com a  Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), através do Laboratório de Historia das Experiências Religiosas – LHER e do Projeto em Africanidade na Dança Educação – PADE/UFRJ estão organizando o Encontro entre os Saberes Afro-brasileiros e Africanos.

Com atividades e roda de conversa, buscando atender os anseios do grupo PANAFSTRAG. Assim, o encontro tem por objetivo promover a colaboração e integração intelectual e cultural entre os grupos em África e no Brasil. “Fruto das ações das redes de intelectuais internacionais e nacionais, que se debruçam sobre o tema, o evento reunirá mais de mil pesquisadores dos cinco continentes”, afirma Ivanir dos Santos.

Local: Instituto de Filosofia Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFCS / UFRJ) – Localizado no Largo de São Francisco de Paula nº 1, RJ.

 

Programação

Dia 25 – (sala 200 do IFCS/UFRJ)

15h – Coffe Break

16h Mesa de Abertura: Intelectuais Negro: Conexões Africa-Brasil

Profº.Dr. Afe Adogame (Princeton Theological Seminary)

Profº.Dr. Raimundo Barreto (Princeton Theological Seminary)

Profº.Dr Ishola Williams- Pan African Strategic and Policy Research Group (PANAFSTRAG- Nigéria)

Profº.Dr. Ullrich R. Kleinhempel (Bavaria College, Schweinfurt, Germany)

Profº.Dr. Jesudas Athyal (Fortress Press)

Profº. Dr. Mubabinge Biolo (Centro de Pesquisas de Egiptologia do Instituto Africano- Zâmbia)

Profº. Dr. Nokuzola Mndende (Presidente Nacional: Conselho de Religião Africana- África do Sul)

Drª. Lily Rose Nomfundi Mlisa (África do Sul)

Profº. Drº. Alpheus Mogomme Masoga (University de Venda- África do Sul)

Rev.Grace Sintin Adasi (Ghana)

Dra. Ijeoma Onyeator ( Nigéria)

Dra. Roemary Amenga-Etego (Gana)

Dr. Paul Onovo  (Nigéria)

Dra. Ngozi Emeka N de (Nigéria)

Dra.  Nomfudo Lily Rose Mlisa (África do Sul)

Matthew Micheal (Nigéria)

Dra. Evelyn Hauwa (Nigéria)

Dra. Mathew Chioma (Nigéria)

 

 

Dia 26 (Salão Nobre)

Das 12h às 14h Almoço – Ilê Axé Ogum Anaeji Iebele  Ni Onan Axe Pantanal

Das 14h30 às 17h – Roda de Conversa: Religiosidades e Espiritualidades Africanas e Afro-Brasileiras

Local: Rua Eça de Queiroz, Lt 17, Qq 69. Bairro Pantanal, Cidade Duque de Caxias (RJ)

 

Instituições organizadoras: PANAFSTRAG, CEAP, UNIVERSIDADE DE PRINCETON, Programa de Pós-graduação em História Comparada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGHC/PPGHC)

 

Em tempo: O encontro se estende do II Conferência Global de Religiões Africanas e Afrodiaspóricas.

Que começou em 22 de outubro na Universidade Federal de Juiz de Fora Relevância do tema e seus contexto

(Vide https://conferenciareligio.wixsite.com/afro).

 

 

Release abaixo

Entre os dias 22 a 25 de outubro a Universidade Federal de Juiz de Fora irá sediar a II Conferência Global de Religiões Africanas e Afrodiaspóricas.

O encontro histórico do continente africano com o comércio de escravos, histórias e influências coloniais/imperiais árabes e transatlânticos foi marcado principalmente por exploração e expropriação, desumanização e violações de direitos humanos, mas também destruição das religiões africanas autóctones, padrões culturais, bem como locais e objetos sagrados. As marcas culturais europeias e árabes também são vistas no crescimento e propagação do cristianismo e islamismo. Esse encontro de outras formas religiosas e culturais, por um lado, acarretou a depreciação das religiões africanas, resultando na proibição e rejeição de suas cosmovisões e abandono de aspectos de suas cosmologias, simbolismos e práticas rituais. Por outro lado, as religiões africanas responderam às mudanças sociais que ocasionaram influência mútua e revitalização de aspectos das culturas religiosas autóctones.

O encontro transformou o pensamento e a prática religiosos autóctones, mas não os suplantou; as religiões africanas autóctones preservaram algumas de suas crenças e práticas rituais, mas também ajustadas ao novo ambiente sociocultural. O cristianismo e o islamismo também foram transformados uma vez que se domesticaram. Essa interação revela um quadro de compreensão das religiões africanas como parte integrante e inerente aos processos de globalização.

O significado histórico e cultural das tradições e espiritualidades religiosas africanas autóctones se manifesta parcialmente em sua pluralidade tanto na África como na diáspora africana. As religiões africanas autóctones influenciam os processos de globalização e respondem aos desafios e oportunidades decorrentes. A dimensão global das religiões autóctones na África transcende o continente para a diáspora africana. A migração, o turismo e a apropriação de novas tecnologias de mídia facilitaram a inserção das religiões autóctones em novos contextos.

A diáspora africana, resultante do comércio transatlântico de escravos, influenciou profundamente as culturas do Brasil, Cuba, Haiti e o resto do Novo Mundo, o que em parte produziu o desenvolvimento de religiões derivadas da África, tais como o candomblé nagô e a umbanda no Brasil, a santeria (lukumi, macumba) em Cuba, o vodun, as tradições iorubá-orixá e outras tradições enraizadas na África Ocidental e Central presentes nas Américas. Essas formas religiosas se proliferam no contexto da diáspora, com o alcance de adeptos e clientela ampliado de maneira multiétnica e multirracial. No Brasil, que possui a maior população negra fora da África, e em outros contextos da diáspora africana, as religiões afrodiaspóricas sobreviveram às várias décadas de criminalização de suas crenças e práticas religiosas. Em geral, as religiões de origem africana como o candomblé e a umbanda no Brasil ainda enfrentam o racismo institucional e a demonização pública, do mesmo modo que a maioria dos afro-brasileiros é afligida por injustiça racial e marginalização sociopolítica.

Apesar dessas ameaças de sobrevivência e extinção, os africanos e afrodescendentes lutam para preservar sua herança cultural e identidade religiosa. As religiões africanas e afrodiaspóricas continuaram a impactar outras religiões do mundo, assim como foram influenciadas por elas. Por exemplo, o português brasileiro foi influenciado ricamente por pessoas de ascendência africana e suas respectivas línguas, enquanto um novo vocabulário afro-brasileiro eclodiu. Os rituais do candomblé foram incorporados ao tecido da identidade nacional brasileira, desde as oferendas ao mar no Ano Novo durante o Réveillon à capoeira, rodas de samba e preferências culinárias como o acarajé. Na umbanda, há uma associação livre de santos católicos romanos com divindades africanas e indígenas. As religiões africanas e afrodiaspóricas também moldaram a arte mundial, a escultura, a pintura e outros artefatos culturais que povoam os famosos museus, galerias, bibliotecas e exposições de arte do mundo. A mercantilização da arte e dos objetos religiosos africanos é crescente. Embora geralmente deslocada do seu contexto “religioso”, o conhecimento hortícola, culinário e medicinal obtém contribuições significativas dos povos africanos autóctones e de sua epistemologia. O caráter das religiões africanas e afrodiaspóricas em condições de globalidade continuará a ser determinado e moldado por como e em que medida elas negociam continuidade, identidade e mudança.

A resiliência das tradições religiosas autóctones na África e das religiões de origem africana na diáspora demanda atenção acadêmica para explorar como e em que medida elas são fundamentais para a vida cotidiana de africanos e afrodescendentes. A religião é crucial para a compreensão dos povos africanos bem como das suas comunidades diaspóricas em um contexto global. As religiões africanas abrangem fenômenos que são definidos primordialmente no que diz respeito à sua oralidade, orientação cosmológica e ritual em direção a paisagens geoculturais específicas. Uma compreensão adequada de suas complexas cosmologias religiosas, tradições e culturas aprofunda a compreensão dos povos africanos e afrodescendentes em condições de globalidade. A religião é um motor para a formação da diáspora e para a construção e manutenção de identidade cultural e sistemas de valores.

Em que medida as cosmovisões e religiões africanas autóctones permanecem relevantes para os africanos no continente e seus descendentes na diáspora, especialmente em uma era globalizante? Como sintetizar os sistemas de crenças, cosmologias, rituais e práticas das tradições religiosas africanas em uma referência coerente e um guia sagrado para adeptos e não adeptos? O que faz as religiões africanas sinalizarem contra o cenário de xenofobia e privação socioeconômica em contextos de secularização acelerada? O que explica a resiliência das tradições religiosas africanas apesar de uma percepção pública negativa? Como e em que medida as religiões africanas e as religiões derivadas da África moldaram os contextos locais, as culturas e as sociedades dentro dos quais elas são praticadas? Até que ponto as religiões africanas autóctones e as religiões afrodiaspóricas são influenciadas por outras tradições religiosas no âmbito global? Como e em que medida as religiões africanas autóctones e as religiões derivadas da África respondem a questões globais de pobreza, corrupção, conflitos, paz, liberdade religiosa e mudanças climáticas? Essas pertinentes questões e problemas motivaram a organização do primeiro Colóquio das Religiões Africanas Autóctones Globais na Universidade Obafemi Awolowo, em Ile-Ife, Nigéria, em agosto de 2016, um evento histórico com a participação de cerca de 100 participantes (estudiosos, pesquisadores, religiosos e atores políticos), oriundos de três continentes: África, Europa e Américas.

A 2ª Conferência Global de Religiões Africanas e Afrodiaspóricas eclode no encalço desse bem-sucedido evento, programado para ocorrer na Universidade Federal de Juiz de Fora, Brasil, em outubro de 2018. A escolha do Brasil como próxima sede é estratégica. Em primeiro lugar, a diáspora africana é basilar para a compreensão da globalização das religiões africanas. Em segundo lugar, a diáspora africana foi declarada pela União Africana (UA) como a 6ª região da África. Em terceiro lugar, o Brasil é o lar da maior população negra (diáspora africana) no mundo, depois da Nigéria. Dados demográficos recentes do Brasil mostram os afro-brasileiros como maioria pela primeira vez, com os resultados do censo de 2010 revelando que mais de 50,7% da população agora se identificam como pretos ou pardos, em comparação com 47,7% que se definem como brancos (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE). Por fim, o Brasil é a terra do candomblé, uma das maiores religiões de origem africana do mundo. A 2ª Conferência Global de Religiões Africanas e Afrodiaspóricas proporcionará outra plataforma significativa para que estudiosos, praticantes de religiões africanas e afrodiaspóricas, atores políticos, grupos comunitários da diáspora africana, ONGs, organizações religiosas e públicos interessados possam avaliar criticamente o status, a natureza e o papel das religiões africanas e afodiaspóricas globais em paisagens religiosas locais e globais. Como temas e subtemas do encontro inaugural, a conferência explorará abordagens variadas para o estudo das religiões oriundas da África com ênfase no foco regional e diaspórico. Discutirá também os desafios específicos enfrentados por estudantes e acadêmicos no estudo de religiões africanas e afrodiaspóricas em todo o mundo. A conferência também busca encorajar pesquisas acadêmicas e explorar vias de documentação e preservação das religiões de origem africana.

 

TAGS: União do Parque Curicica inicia oficina de percussão  Ellen Jabour ministra bate-papo sobre autoestima em evento  Shayene Cesário brilha no primeiro ensaio da Rocinha  Lexa não é mais a rainha da Bateria da Unidos de Bangu Tucuruvi da início aos ensaios  Pipa Brasey participa da gravação do samba-enredo da Portela  Horóscopo Carnavalesco – semana de 22 a 28/10 Bermuda jeans e de sarja, peças coringas que todo homem deve ter no guarda-roupa  Anderson Lopes comemora seu quinto prêmio de melhor jornalista  Imperatriz escolhe samba para o Carnaval 2019 Entrevista exclusiva com Escritor e Poeta Dylan Ricardo  Ivan Reis inicia preparação para comissão de frente da Independentes de Olaria  Gracyanne Barbosa cai no samba na Ilha  Beija-flor de Nilópolis define samba 2019 Conheça a cantora Paula Baak Conheça a nova Corte Gay do Carnaval 2019  Viradouro já tem seu samba-enredo 2019  Veja o recado de Núbia Óliiver para o Portal AL

 

– Rozangela Silva –

Assessoria de Imprensa

Comentários estão fechados.