Bem-vindos ao Rio, Centro Cultural Light recebe exposição “Área Interditada: Zona De Trânsito Central”

Programão Gratuito

A exposição “ÁREA INTERDITADA: ZONA DE TRÂNSITO CENTRAL”, que entra em cartaz no Centro Cultural Light, explora, de forma pontual, as negociações que se fazem implicitamente presentes entre os seus mais variados universos que se confrontam no cotidiano da capital carioca. A mostra, que tem entrada gratuita, fica até o dia 13 de março de 2020, de segunda a sexta-feira, exceto feriados, na Grande Galeria do espaço.

A maior cantora do brasil, Leny Andrade comemora aniversário no Teatro Rival Refit

 

 

O centro da cidade do Rio de Janeiro, pode ser lido como um local representativo para a construção da identidade da população carioca e até mesmo do país em certa medida. Sediou a capital do Brasil em três períodos históricos distintos: a Colônia, o Império e a República. Por suas ruas circulou – e ainda circula – a grande maioria dos tipos que constituem a diversidade nacional.

O mundo é plural! Dia da Intolerância Religiosa foi lembrado com várias atividades no Rio

 

 

Coletivo Área Interditada, responsável pela mostra, acredita que essa circulação implica na constituição de pontos de aproximação, assim como de distanciamento políticos, sociais e culturais, os quais configuram confrontos contínuos e cotidianos. Devido a este intenso trânsito de tipos tão diversos, a Zona Central apresenta evidentes pontos de tensões assim como de negociações/acomodações. Talvez por isso, seja frequentemente palco dos mais variados tipos de manifestações populares.

 

Conceito da exposição

O Área Interditada é um Coletivo de Artistas que têm se preocupado em produzir a partir das reflexões sobre a vida cotidiana no Rio de Janeiro e no Brasil.

As tensões que se apresentam – invariavelmente – na tentativa de acomodação real da diversidade, mostram-se como uma rica fonte de objetos de pesquisa para desenvolvimento de obras de arte nas mais variadas plataformas (pintura, vídeo, performance, fotografia, etc.).

O coletivo parte da premissa de que a democracia nunca está dada e, para ser mantida, necessita de constante manutenção e vigilância daqueles se beneficiam dela. De todos os envolvidos. Sem exceção. Nesse sentido, a arte pode ser um dos meios/mecanismos de alerta para as ditas manutenção e vigilância. Visto que os constantes acordos, fundamentais para uma sociedade diversa e respeitosa de direitos, são construídos e reelaborados a cada dia. E, sobretudo, nunca são definitivos.

Por Marcelo Franco (KHÁOS), Curador da exposição

 

Os artistas

Camila Ribeiro

Carine Caz

Cleiton Almeida

Coletivo Grito

Felipe Carnaúba

Isabella Rosa

Joyce Candeia

Lucas Almeida de Melo

Luiz Eduardo (Le Fileto)

Marcelo Franco (Kháos)

Paula Isabelle

Paula Souza

Ryan Hermogenio

Samuel Pires

Thiago Saraiva

William Maia

 

Serviço
Área Interditada: zona de trânsito central
Centro Cultural Light – Grande Galeria
Av. Marechal Floriano, 168, Centro, Rio de Janeiro
De 17 de janeiro a 13 de março de 2020
De segunda a sexta-feira, exceto feriados, das 9h às 19h.
Classificação livre.

 

Siga o Centro Cultural Light nas redes sociais:

Facebook: @centroculturallight

Instagram: @centroculturallight

 

 

 

TAGS: Salve o candomblé! Anny é coroada Rainha do Império Serrano Horóscopo Alto Astral de 20/01 a 26/01 Flavia Bonato apresenta NY para os pais Filipe Ferreira arrasa na maquiagem Bloco das Favoritas em Copacabana Lierj é recebida por Governo do Estado Rio elege nova Corte do Carnaval 2020! Mc Rielle posa no clima de verão Favela 2 – A Gente não desiste Point carioca Deborah Albuquerque Look fresquinho para o Verão Fotos Réveillon Copacabana 2020 Copacabana recebe 2020 com tudo! Rir pode ser a chave para o sucesso!

 

-Duetto | Assessoria de Imprensa e Comunicação-

Comentários estão fechados.